Curiosidades sobre Edimburgo or curious facts about Edi

Edinburgh is full of mystery, history and funny stories. There are about 16 thousand historical buildings of different epochs. Last time I counted, it had 112 parks, and more trees per head of population than any other city in the UK. Therefore a lot of places to hang people, they’d have thought in the old days, I bet. Hang on a minute, am I the only one here thinking like this and doing silly word play. Edinburg has a nickname, the Auld Reekie or old smoky, because in the past a lot of coal and wood were burnt for heating and the air was always full of smoke. So if your hair has been falling out, thinning, or breaking off at the ends you might want to follow the advice of the city residents, who in the 17th century believed that running the burnt ashes of dove’s droppings on their heads would cure baldness. Worth a try.

A cidade de Edimburgo tem muitas coisas curiosas. Por exemplo, reparei nas tantas janelas fechadas com tijolos. Percebi um pouco depois, em conversa, que em 1748, o governo escocês instituiu um imposto sobre janelas e todas as casas que tivessem pelo menos sete teriam que pagar por isso. Comprar tijolos é mais barato, realmente. No mesmo dia, corri a cidade velha de uma ponta à outra e parei pelo Grassmarket para beber uma Coca-Cola (product placement), que hoje é uma área de pubs, restaurantes e lojas, mas que antes era um mercado medieval onde acontecia a maioria dos enforcamentos públicos. Começo a notar um interesse meu um tanto mórbido por enforcamentos. É uma ideia presente nos dois textos, nas duas línguas. Pode ser coincidência. Mas moving on, não pude deixar de reparar na falta de gosto barra brilhantismo na escolha do nome de um dos pubs da área: Last Drop (a última gota), onde dizem os locais que os condenados à forca iam tomar seu último gole de álcool. Esses não morreram com cirrose. Para além de muitas janelas, muitas árvores, muitas chaminés, existem muitas pessoas ruivas. Não que tenha algo contra elas, tenho até um amigo ruivo que me iliba de qualquer acusação de preconceito. Mas enquanto que na maioria dos países os ruivos representam 1% da população, na Escócia as pessoas de cabelos vermelhos são 7%. Notei também que boa parte dos bancos de praça da cidade têm donos. Em Lisboa e noutras cidades do mundo os cães têm donos, os carros têm donos. Em Edimburgo, os bancos também. Todos os que vi têm placas com o nome de pessoas, que vim a saber já falecidas, e que costumavam sentar-se ali. É tipo um cemitério vivo e bem mais alegre do que se ter uma placa numa campa. Mais vale estar eternamente sentado num banco de jardim do que enterrado, não é? Quem paga por essas placas são as famílias, para homenagear os entes queridos. Ficam todos avisados, se eu morrer amanhã, quero ser cremada e quero ter um banco de jardim. Com Wi-Fi, por favor.